Pague 1, Leve 2! The Ocean e Protest The Hero

Um cenário que imagino ser bem comum para fãs de metal é ouvir frases como: “Tava bom até esse cara cantar”. Esse não deve ter sido o motivo, mas algumas bandas resolveram esse problema!

Duas bandas que sempre gostei MUITO entram nessa categoria, The Ocean e Protest The Hero. Apesar de terem características bem particulares e serem bandas completamente diferentes, ambas possuem um som bem técnico. O que tem mais em comum nas duas? Vocais não muito convencionais, dependendo dos seus padrões.

The Ocean – Pelagial (2013)

The Ocean é uma banda Alemã um tanto, digamos, intensa. Desde seus primeiros discos já apresentava misturas de sons Atmosféricos e mais pesados. Atualmente o som deles seria algo entre um Progressive Metal e Hardcore, muito por causa dos vocais.

Capa do disco Pelagial da banda The OceanSeu último disco é uma peça única, quase teatral. Pelagial apresenta 11 faixas dividas em 5 atos conectados por interlúdios de sons subaquáticos, o que contribui para a sensação de continuidade. O disco é introduzido de forma lenta, uma superfície calma e leve. Conforme é executado as músicas se tornam mais sombrias e densas, um mergulho cada vez mais profundo em águas escuras. Seus minutos finais são claustrofóbicos, com um som arrastado e sujo. No meio de todas essas camadas os vocais oscilam entres voz limpa e gutural, acompanhando as variações nas músicas. Pelagial é um álbum conceitual em sua essência e os vocais dão o peso necessário.

The Ocean sempre se destacou pela capacidade técnica, entregar um som progressivo nos moldes atuais sem necessidades de muitos rótulos. O vocalista Loïc Rossetti consegue ir dos trechos mais atmosféricos com vocais mais suaves e limpos, até as partes mais pesadas, com vocais totalmente rasgados. Inicialmente achei que eram duas pessoas diferentes.

Eu particularmente gosto muito da banda como um todo, acho o resultado final muito bom. Mas o que aconteceria se tirássemos todas as vozes? Temos um puta disco instrumental! Extremamente bem feito, rápido e pesado. Funciona tão bem quanto sua versão original!

Obs.: No Spotify a versão apenas instrumental é o segundo disco. Todas as faixas estão indicadas com (Instrumental Version).

Protest The Hero – Fortress (2008)

Vamos sair um pouco de tanta complexidade? Protest The Hero tem muito mais atitude de banda independente. Não só atitude; depois de ficarem de saco cheio dos selos, resolveram produzir um disco via crowdfunding. Não só deu certo como rendeu um dos melhores discos na carreira da banda, o Volition, lançado em 2013.

Capa do disco Fortress da banda Protest The HeroProtest The Hero é uma banda canadense de Progressive Metal e Mathcore… mas com uma pegada bem forte de punk. Essa mistura tem como funcionar? Ô, se tem… E toda essa ideia rendeu o Fortress, lançado em 2008.

Um disco pesado e rápido. Com vocais bem, digamos… Gritados? Esganiçados? O vocal de Rody Walker sempre foi motivo de discussão entre os fãs: além de inconvencional muitas vezes causa mais estranheza que aceitação. Eu mesmo demorei para me acostumar, hoje em dia eu curto bastante. Pra quem já ouviu o Ozzy, qualquer coisa é lucro!

Musicalmente a banda é muito mais que metal, é tecnicamente rica com músicos assustadoramente habilidosos. Do outro lado tem um vocalista que parece que tá sofrendo muito de hemorragia interna e não consegue parar de gritar! Apesar de achar injusta boa parte das criticas ao estilo de vocal, concordo que é difícil de digerir.

Tá afim de ouvir um disco bem metal, mas que não fique na porradaria sem sentido? Vai no Fortress, eu garanto que você vai gostar, ouvir as músicas sem os vocais traz outra experiencia.

Obs.: No Spotify a versão apensas instrumental é o segundo disco. Todas as faixas estão indicadas com (Instrumental Version).

Resumindo, muita gente não gosta de metal por causa dos vocalistas que nem sempre cantam como seres humanos normais. Durante a minha adolescência meu pai até curtia algumas músicas, mas quando “esse cara ai começou a gritar” ele saía de perto. Um álbum instrumental não é menos pesado sem os vocais, continua no mesmo nível.

Existem bandas exclusivamente instrumentais como Nova Collective e Animals As Leaders, mas a graça do post é justamente ter o comparativo no mesmo disco. Se você nunca tinha ouvido nenhuma das duas bandas, experimente ouvir sem os vocais, depois vai na versão normal.

Me conta o que achou!

Comente

%d bloggers like this: